Prosas e Versos
Um minuto de silêncio

06/11/2015

Um minuto de silêncio

(Texto de Felipe Mello)

pela janela do meu quarto eu vejo um punhado de coisas.


vejo carros apressados querendo aproveitar o semáforo, ainda que ele já esteja na fronteira do amarelo com o vermelho.


alunos com passos e vozes de diversos tamanhos e volumes a caminho da universidade.
mais tarde, os mesmos alunos com passos e vozes menos intensos na volta da universidade.


vejo quatro árvores enormes, que perderam suas folhas no outono e no inverno, recuperando aos poucos o seu verde no início da primavera.


há alguns dias, no entanto, vi algo diferente, mais comovente que o ordinário e repetitivo cotidiano.


por volta da meia noite, como de praxe, um barulhento caminhão apontou no início da rua recolhendo o lixo, ou se preferirem, os resíduos produzidos por quem trabalha e mora no entorno.


(sorte que eu durmo mais tarde.)


naquela noite, eu estava à janela, quando vi um dos catadores correr à frente da equipe. sua função é adiantar o esquema e pegar os sacos pretos, deixando-os no jeito para ser recolhido instantes depois pela turma que vem no caminhão.


foi o que ele fez. depois do pique, empilhou diversos sacos em frente a um edifício.


e, então, parou. aliás, não só parou.


ele se deitou numa mureta que delimita o jardim quase bonito do prédio.


não só se deitou. ele se esparramou naquele colchão de pedra.


sua pausa duraria menos de um minuto. mas a forma como ele se entregou ao relaxamento naquele ínfimo espaço de tempo me tocou.


ele esticou suas pernas, colocou um dos braços sobre a barriga e deixou o outro escorregar pela mureta.


e fechou os olhos.


do quarto andar eu pude ver as suas inspirações e expirações. profundas.


além do que vi, inventei o que senti e senti o que inventei da realidade daquele rapaz.


para ele, um minuto parecia ser uma pausa nobre na correria. um distanciamento do mau cheiro e do leva-e-traz do peso pesado.


quando eu estava me perdendo na contemplação daquela imagem, aquela estátua viva em puro estado de relaxamento, ele, de um salto, se pôs em pé e começo a atirar os sacos na boca cheia de dentes da parte traseira do caminhão.


aquele minuto de pausa foi uma das coisas mais intensas que eu já vi pela minha janela.


muito mais do que os carros apressados e do que as pessoas apressadas. tão banais e tão repetitivas.


intensidade do porte da renovação das quatro árvores imponentes que vejo amiúde, há tanto tempo perdendo e reconstruindo folhas, insistindo em viver em meio ao caos bruto do mundo artificial que hoje as cercam.


descanse sempre em paz, amigo lixeiro.

Mais Prosas e Versos
    w
  • 15/12/2015

    Do que é mesmo que trata este texto?

    Texto de Felipe Mello

    Se eu ainda escrevesse por meio da datilografia, provavelmente já teria amassado em pequenas bolinhas dezenas de folhas de papel. O chão da minha sala estaria repleto...

    Leia mais...

  • 09/09/2015

    A conta do supermercado

    Texto de Felipe Mello

    Eu tenho fome todos os dias. Uns dias mais, outros menos. Normalmente eu faço de duas a três refeições diárias. Logo após despertar, na maioria das vezes antes do...

    Leia mais...

  • 18/06/2015

    Topa um negócio da China?

    Texto de Felipe Mello

    Eu sou descendente de comerciantes, em especial por parte de minha família materna. Meu avô veio do Líbano e, quase como regra na história desses imigrantes, buscou...

    Leia mais...

<< Voltar para Prosas e Versos